AMIGOS....

O BLOGUE CANARILMAFRA.JM

Mafra 15/Agosto/2011 . Este espaço serve para partilhar com todos vocês os meus "conhecimentos" e o meu dia a dia com um hobby envolvente como este do mundo dos canários. Desejo a todos os que por aqui passem uma excelente época de muda. E para todos desde já fica a dica... se precisarem... perguntem! não se inibam! Alguem um dia fez o mesmo comigo... para todos um abraço, José Martins

21.8.11

Os Canários de Cor

Naquilo a que poderemos chamar o Canário de Cor (Serinus Canaria Domesticus),podemos diferenciar três grandes grupos (Lipocromos; Melânicos e Variegados).
Na verdade é a presença ou a ausência de um pigmento escuro chamado melanina que determina esta classificação, bem como a cor da plumagem e das partes córneas (bico, patas e unhas).
Como este artigo se destina apenas aos canários Lipocromos, faço apenas uma breve resenha do que se entende que serão os outros.
Canários Melânicos:

Todos aqueles de linha escura ( e que mais se aproximam da linha verde original).
Caracterizam-se por apresentar melaninas e lipocromo na sua plumagem.
São normalmente conhecidos por linha escura atendendo a que apresentam sempre colorações escuras (cinza; negra; castanha; mesclada etc.).

Canários Variegados:
São os malhados (mais de uma cor) que apresentam de forma parcial melaninas em partes da plumagem ou das partes córneas.
Normalmente resultam do cruzamento directo de canários melânicos com lipocromos ou vice-versa.

Canários Lipocromos ou de Cor…
Estes aparecem por mutação dos melânicos que por meio da eliminação progressiva das melaninas castanha e negra tanto seja a estriada ou a dispersa e a eumelanina e a feomelanina.
Estes Canários também chamados de linha clara caracterizam-se pela ausência de melaninas e pela presença de lipocromos, como único e exclusivo pigmento.
A particularidade destes canários é a de não fabricarem tirosinase a enzima responsável pela síntese da melanina.

A sua posterior selecção deu origem à primeira mutação o Amarelo.
Que surge em Inglaterra por volta de 1600, e que mais não era do que a cor de fundo do canário verde silvestre.
Todos os trabalhos posteriores de hibridação e mutação deram origem às seis variedades de lipocromos reconhecidas pela Comissão Técnica dos Canários de Cor.

AMARELO (I)
VERMELHO (II)
BRANCO DOMINANTE (III)
BRANCO RECESSIVO (IV)
AMARELO MARFIM (V)
VERMELHO MARFIM (VI)
Nos canários de cor ou lipocromos aprecia-se principalmente a concentração da cor a luminosidade a pureza da mesma e extensão uniforme pela plumagem.
Ou como no caso estrito dos Mosaico as mesmas características anteriores, mas apenas nas chamadas zonas de eleição.
Estudos comprovam que a são as hormonas sexuais as grandes responsáveis pelos níveis de concentração dos carotenóides no macho versus a fêmea.
Daí que normalmente os machos tenham uma cor mais “forte” em relação às fêmeas.

Nesta variedade de Canários a sua Categoria divide-se em Intenso; Nevado e Mosaico.

Sendo que no Intenso e no Nevado se aprecia a distribuição uniforme da cor e no Mosaico se apreciam as marcações concentradas nas zonas de eleição (mascara facial, ombros e uropígio).
Já as categorias de Intensos e Nevados, diferem entre si pela extensão do lipocromo sobre a plumagem.
Os Intensos onde toda a plumagem (incluindo asas e cauda) deve ter a cor uniforme, certa e o mais pura possível. Sem quaisquer vestígio de outra cor que não a dominante (branco vermelho ou amarelo).
Já os Nevados devem apresentar uma nevadura na plumagem (efeito como se “polvilhado com giz”) em que o pigmento não se estende por toda a extensão da plumagem e deixa uma margem periférica sem cor que lhe dá então esse aspecto de nevadura que lhes dá o nome.
Esta nevadura para ser considerada como óptima deve ser de tamanho pequeno e repartida uniformemente por TODA a plumagem.
E tal como nos Intensos também por tendência é mais escura nos machos do que nas fêmeas. Nestas inclusive é normal aparecer um colar branco em volta do pescoço.Bem como a zona da cloaca ser mais clara e ter normalmente uma auréola branca.
O gene responsável pela categoria Intenso (I) aparece por mutação do seu alelo silvestre o alelo nevado (I+).
Estes genes são de herança livre ou também chamada de autossómica.

No caso dos brancos quer dominante quer recessivo não se diferencia a categoria apesar de estarem presentes no seu genótipo os genes responsáveis pela mesma. E que também se transmitem pela descendência.
Todos estes canários (Brancos, Amarelos e Vermelhos) têm de apresentar as partes córneas (bico patas e unhas) claras.
E sem quaisquer vestígio de manchas melânicas.
Na presença de qualquer uma destas irregularidades para efeitos de concurso os exemplares serão desclassificados.

No próximo capítulo abordarei a classificação dos lipocromos
um abraço a todos,
     José Martins
Canaril de Mafra JM

Sem comentários:

Enviar um comentário